segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Resíduo




Tenho apenas um punhado de areia
em minhas mãos.
Mas o mar ainda canta em meus ouvidos.

_________________

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

O sangue da rosa



Perdido na noite,
os olhos vazios.

Na mesa, um punhal.

Na lâmina fria
o sangue da rosa.

_____________

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Conchas secas




As palavras se fizeram conchas secas
e adormeceram no poço do silêncio.
O espelho da tarde se partiu.
Uma rosa agoniza junto à cruz.

___________________

terça-feira, 13 de outubro de 2009

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Vestimenta




Queimei os meus vestidos.
Quero vestir-me apenas de palavras.

_________________________

domingo, 27 de setembro de 2009

O silêncio de Deus


Capa de O Silêncio de Deus, de J. C. M. Brandão


A MOEDA DO SILÊNCIO

Nas mãos cinzas da névoa
a moeda do silêncio.
Os pássaros petrificados
nas árvores secas.

Os sapatos à beira da estrada
à espera dos pés de ninguém.
Uma fina lâmina de vidro
quebra-se.

Deus de areia, noite escura
de Deus.
Uma lâmpada sem óleo,

a luz negra,
a chave enferrujada
e a pátina no chão do deserto.

JCMBrandão, O Silêncio de Deus, 2009.

_______________________________


O Silêncio de Deus está sendo lançado pela internet, com impressão sob demanda, um tipo de edição que chegou ao Brasil somente este ano.

Quem quiser adquirir um exemplar, basta fazer o pedido que o seu livro será impresso em São Paulo e, dentro de 5 a 10 dias, o receberá pelo correio.

O grande problema da poesia é a falta de divulgação. Com este método, os livros serão bem divulgados em blogs e sites.

Quem estiver interessado em conhecer mais, acesse o blog

www.poesiacronica.blogspot.com

ou vá direto a

http://clubedeautores.com.br/book/5402--O_silencio_de_Deus .

_________________________

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Iluminação




Sentada na terra
tenho o coração pequeno.

O grande frio da noite
quer descer sobre mim.

Mas num repente
o céu se ilumina.

Brilha uma estrela,
tudo se transforma.

Suavemente
abre-se a flor

do meu coração.

____________

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

domingo, 6 de setembro de 2009

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

sábado, 29 de agosto de 2009

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

sábado, 1 de agosto de 2009

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Cristal



MEMÓRIA

No coração da árvore
a memória do rio.


RÉQUIEM

Arranquem meus olhos.
A flor está morta.


RETRATO

Invento o que existe.
Sou poeta.


O PÁSSARO IMPOSSÍVEL

Cortaram-me as asas e a garganta.
Nada esperem de mim.
Sou um pássaro impossível.


CREPÚSCULO

No alto do eucalipto
o pássaro bebe a tarde.


RECATO

Fechem os olhos dos lírios.
Não deixem que me vejam nua.


ORIGEM

Eu não nasci,
vim do mar.


ABSOLUTO

Uma agulha cerzindo o universo.

__________________

Fiz uma pequena antologia de meus poemas mais curtos.

sábado, 11 de julho de 2009

sábado, 4 de julho de 2009

Sem palavras




Desprezo as palavras inúteis.
Quero o poema como um grito no escuro.
Mais nada.

_____________________________

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Buscando a lua



Vagamos pela noite buscando a lua que desmancha no rio a sua luz prateada.
Sorvemos o barulho indescritível dos sapos, rãs, insetos e das aves noturnas.
Andamos pela ponte, livres e felizes. Somos dois bichos estranhos, em perfeita comunhão com a noite e seus mistérios.

_________________________________

domingo, 21 de junho de 2009

Enigma




O que veem os olhos da coruja
quando me olham
como se me despissem?

____________________

Foto e poema: Sônia Brandão

domingo, 7 de junho de 2009

Galope




Meu coração
é um cavalo louco

sangrando como o sol
atrás das colinas.


__________________________

Foto e poema: Sônia Brandão

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Prenúncio




Pálido pássaro pousado
na tênue luz da manhã.

_____________________

Foto e poema: Sônia Brandão

sábado, 23 de maio de 2009

O cão da morte



Já não há luz
nem som
nem movimento.

Apenas o cão da morte
me faz companhia.

Espera impaciente
o momento de irmos juntos
para lugar nenhum.

____________________________
Foto e poema: Sônia Brandão

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Imagens do Ceará

























_____________________________________

Fotos: Sônia Brandão
Foram essas imagens - ah, esses lugares belíssimos, de uma beleza indescritível - que me encantaram na minha viagem ao Ceará.

sábado, 2 de maio de 2009

Saciedade



Banhei-me de sol e sal,
de chuva,vento e mar
nas praias do Ceará.

Dei de beber aos meus olhos
nas águas do Jaguaribe.

___________________________

Foto e poema: Sônia Brandão.

sábado, 4 de abril de 2009

Voo noturno

Agora sabemos o que nenhum anjo sabe.
Agora somos o tempo.
De nossos corpos outras noites nascerão
e juntos voaremos nosso vôo noturno
nas asas do desejo.

___________________________________

terça-feira, 31 de março de 2009

Antes da aurora




Busco a morte
como quem busca o sono.

Morrerei antes da aurora.
Tenho anjos sobre meus ombros.

______________________________

Foto e poema: Sônia Brandão

quinta-feira, 26 de março de 2009

Onde a luz?



A ausência
na areia da memória.

Com que asas
hei de encontrar a luz?

________________________

Foto e poema: Sônia Brandão

domingo, 22 de março de 2009

Lembrança




De repente,
como um grito,
a noite veio
e
te levou.

Ficaste apenas
no retrato
adormecido
nos meus olhos.

___________________

Poema e foto: Sônia Brandão

quarta-feira, 18 de março de 2009

Umbral




Quando a noite cai
sobre os umbrais,

somos flores
de silêncio

e solidão.

____________________

Poema e foto: Sônia Brandão

sábado, 14 de março de 2009

Decisão




Entre morrer e não morrer
Escolhi as palavras.

Voam de minhas mãos
Como pássaros ou punhais.


____________________________

Poema e foto: Sônia Brandão