segunda-feira, 12 de novembro de 2018

MUNDO SECO






MUNDO SECO


O tempo chora nas esquinas da cidade
Cicatrizes se abrem no corpo da rua

Um rato rói o coração das pedras
Um mendigo rumina o sal da solidão

A vida é seca, a morte é seca, o mundo é seco