sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A FLOR DA AFLIÇÃO































A flor da aflição


Penhascos de silêncio se erguem na noite
São de pedra nossos dias
Nossos filhos estão mortos
Estão loucos nossos irmãos.

Sentados sob as árvores secas, tecemos a treva.
Perdemos o caminho de volta
Sobre nossos ombros o cansaço, o segredo, a morte.
Breve vestiremos a pele da terra
Nas nossas mãos murchas levamos a flor da aflição.





10 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Sônia, abordas, com uma poesia cativante, temas que me são caros. Acaba que te ler é me ler noutro, noutra...e fico a pensar nessa flor da aflição.

Beijos,

Marina Linhares disse...

A foto mais escura passa toda a aflição da poesia.
Uma imagem poética transbordada de sensibilidade... um grande registro.
Bjs.

Fred Caju disse...

Muito tenso, mas em todo jardim há uma.

c.gildamaria@gmail.com disse...

É esta a realidade da vida...

Bípede Falante disse...

a flor da aflição não conhece noite ou dia e desabrocha e despetala dentro dos corações.

beijoss

:.tossan® disse...

Nada de aflição, a realidade deve ser encarada de frente sem penhascos e sem o silêncio que causa mais aflição. Excelente P&B amiga Sônia, o poema é magistral! Beijo

Graça Pereira disse...

Um tempo que é escuro e nos aperta o coração...nos ramos secos, calcinados, só há a flor da aflição!!

Uma foto que diz tudo,enriquecida com o teu poema...
Beijo
Graça

VG disse...

Its a very good post. I was very pleased to find this site.

Mar Arável disse...

Só não vence quem não luta

Elisa T. Campos disse...

A flor da aflição

Sonia, maravilhoso.

E todos nós um dia passaremos esses momentos.

bjs