sábado, 20 de outubro de 2012

O ROSTO DA MORTE




























O rosto da morte


As vozes calam na noite.
Todos os caminhos silenciam.
A casa vestiu o rosto da morte.

Está seco o poço onde lavamos
nossos olhos.

Apenas a morte conhece o que somos.






16 comentários:

Ana Martins disse...

Que descrição, Sônia, até parece que cheira a morte!

Muito bom.

Beijinho,
Ana Martins

Marina Linhares disse...

Um texto forte, coisa que só os poetas sabem como escrever.
A foto ficou de acordo com a poesia... e em P&B gostei muito.
Bjs.

Jorge Costa Reis disse...

Que belo poema e excelente fotografia!

Bípede Falante disse...

Concordo.
E ela costuma revelar o quanto somos um grande fiasco.
beijoss

Tania regina Contreiras disse...

A morte é reveladora. E uma senhora altiva e muito bonita...rs Escorpianamente, amo a morte. E abracei intimamente teu poema.
beijos,

Mar Arável disse...

Não há morte

nem princípio

Morgan Nascimento disse...

Olá, parabéns pelo blog!
Se você puder visite este blog:
http://morgannascimento.blogspot.com.br/
Obrigado pela atenção

Wilson Torres Nanini disse...

Belíssimo! E essa imagem do poço seco, que tanto que me aturdiu!!!

Talvez, apenas depois dela (dessa maga medonha) saberemos quem fomos/somos/seremos.

Abraços!

http://wilsonnanini.blogspot.com.br/

Fred Caju disse...

Porra!

Tamires disse...

:/

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema e excelente fotografia....
Cumprimentos

:.tossan® disse...

Grande conjunção foto e texto. Você fala poeticamente e da mesma forma a ótima foto se manifesta. Beijo

Elisa T. Campos disse...

Amei
A foto e o poema.
Só você pode descrever tão lindamente.
Beijos

Graça Pereira disse...

É verdade que a morte também veste as casas e ocupa os silêncios.
Perfeita descrição.
Beijo
Graça

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá, passe no meu blog tem lá um Prémio....
Cumprimentos

© Piedade Araújo Sol disse...

apenas a morte sim.
o poema faz jus `à foto.
um beijo