terça-feira, 22 de maio de 2012

AINDA HÁ CANÇÕES PARA CANTAR?































         AINDA HÁ CANÇÕES PARA CANTAR?


Na cidade dura
no concreto frio
bocas concretas
mastigam a vida.

Nas mãos encardidas
o peso da noite
o peso da morte.






9 comentários:

Marina Linhares disse...

S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L!!!
Impressionante como você utiliza as palavras que encaixam maravilhosamente com a imagem.
O "conjunto da obra" (título, imagem e texto) está perfeito.
Ponto pra você!
Bjs.

Bípede Falante disse...

Nem sei.
Como doem as mandíbulas.
Como exaure esse mastigar a vida.
Beijoss

Mar Arável disse...

... mas repare como há olhos que brilham

ao longe
no barco que passa

Elisa T. Campos disse...

Mas ainda assim há o peso da esperança.

Lindo Sônia

bjs

Ana Martins disse...

Sónia, boa noite!
São cada vez mais aqueles que mastigam a vida.
Grande sensibilidade!

Beijinho,
Ana Martins

:.tossan® disse...

Espetaculares! A foto e a perspectiva. Mastigando a Vida! Beijo

Tais Luso disse...

Olá, Sonia!
Não há momentos mais, apenas tristezas, lamúrias e descrenças. Por que haveríamos de crer se a cada dia a vida se mostra mais crua?
Fiquei olhando para a imagem e seus versos dizem tudo.

Grande beijo!
Tais

Fernando Santos (Chana) disse...

Excelente trabalho....
Cumprimentos

O Profeta disse...

Já esqueci, todas as palavras que queria ouvir
Todo os sentires por sentir
Já não sou protagonista de uma comédia de enganos
Sou apenas demiurgo de uma perversa cena de uma chegada sem partir

Sou uvas amargas do mês de Abril
Vinho de travo verde ao beber
Semente atirada ao meio das pedras
Olhos na bruma na inquietação do ver

Uma imensa e incontida força neste peito
Na alma uma cicatriz, qual estigma
Serei apenas um barco de papel à deriva!?
Ou como já alguém disse, um…Enigma…

Doce beijo