segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

TEMPESTADE































TEMPESTADE


Das mesas postas do céu
caem talheres de ouro.

Na beira das águas pulsantes
do rio
o louco dança
com uma flor nas mãos.






9 comentários:

AC disse...

Há seres que "furam" a realidade comum dos rebanhos e dançam, dançam...

Beijo :)

MIRZE disse...

Maravilhoso, Sônia!

Imagem linda e poema mais ainda.

Mas é uma delícia dançar na chuva.

Beijos

Mieze

Cristiano Marcell disse...

Bela Imagem!

Muita paz!

Bazófias e Discrepâncias de um certo diverso disse...

Está comemorando o início de um novo ciclo, esse aí! Não importa se é louco por hoje ou para a eternidade, na noite da tempestade ele é só mais um. Bjo SÔNIA, feliz ano pra gente!

Bípede Falante disse...

Que belíssimo e criativo poema!!
beijoss

Jair Gabardo. disse...

Aqui é assim, sempre gostinho do doce.

Com a correria dos dias tenho estado longe das leituras dos blogs que gosto, como o seu. Dias atrás passeando no shopping achei lindas canecas com pássaros, lembrei de você, do blog, por hora me deu vontade de comprá-la e enviá-la a você, fiquei sem graça rs

Abraço, um ótimo 2012!

Alessandra Espínola disse...

a surrealidade nos atinge de tão real. Belo tudo aqui!

Elisa T. Campos disse...

Lindo, Sônia.

O louco é mais feliz. Para êle importa apenas o brilho do aqui agora.

bjs

maldives tours disse...

Thanks for sharing such an interesting information.