segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Aconchego



                                                        
 A tarde se veste de silêncio.
O sol sangra o azul do céu.
Sob as asas do pássaro, o dia se recolhe.


quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Casinha



                                         

                         
                                 Casinha simples, tão à vontade na paisagem.                                        
                                 Parece ter brotado da terra como as árvores.



segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A NOVA POESIA BRASILEIRA

                  
                     Com muito prazer, estou no blog do


                     Benilson Toniolo: A NOVA POESIA BRASILEIRA.


                     Quem quiser conferir os poemas que ele selecionou....


                      
                     _____________

domingo, 23 de janeiro de 2011

Candelabro




                                      CANDELABRO


               Pedaço de céu
               se incendeia.
               Candelabro.



quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Instantes




            1. Dádiva

Hoje nasceu uma flor no meu jardim.
Eu pude vê-la.


2. Não tenho mais quintal

                        Um galo perdido no tempo
                        canta na minha janela todas as manhãs.


3. Degrau

No alto degrau do dia
O pássaro olha o céu
e sonha.


4. Andorinha

Hoje uma andorinha pousou na janela.
Ficou mais bonita a minha manhã.


5. Fonte

As águas do rio davam de beber
a um cardume prateado de estrelas.


6. Luz

Na manhã iluminada
as flores se abrem
como o sorriso de Deus.


7. Resíduo

Tenho apenas um punhado de areia em minhas mãos.
Mas o mar ainda canta em meus ouvidos.


sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Cacos




1. Encontro

No poço fundo
Da noite oca
A morte estúpida
Mostra seus dentes.


2. Destino

Entre pedras vestidas de verde
morrerei de cantar,
como as cigarras.


3. Apenas

Apenas o silêncio
da rosa no vaso
e a minha dor.


4. Bagagem

Comigo vai apenas o meu nada,
diz o silêncio nos lábios do morto.


5. Solidão

Sou um fruto esquecido
numa árvore morta.


6. Árvore
                                           
Teu grito
meu silêncio
frutos da mesma dor.


7. O espelho

Na eternidade baça do espelho
dois olhos perdidos me olham.



domingo, 9 de janeiro de 2011

Sede


                                                                    Espatódea (Spathodea nilotica)
                                           


                                              Sede

                                      Amanhece.
                                      As flores abrem as bocas sedentas
                                      e bebem, gota a gota, a luz do mundo.




terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Inscrições





1. Leveza

Era leve o pássaro
e ainda mais leve o seu canto.


2. O timoneiro

A noite cai sobre o meu barco.
Para onde me levará o vento?
             
3. Gregueria

Leve-me flores quando o meu relógio morrer.


4. Madrugada

Para cantar a madrugada
não é preciso que o galo
conheça os seus mistérios.


5. Infinitamente

Canto a tristeza
de não ser flor.


6. Dor

Alimentei meu pássaro
com a morte.


7. Vestimenta

Queimei os meus vestidos.
Quero vestir-me apenas de palavras.