quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Inocência




Inocência


Um caixãozinho branco sobre a mesa.
Com um pequeno triciclo a menininha
dá voltas e voltas ao redor
sem compreender
por que puseram ali o seu irmãozinho.

___________

18 comentários:

PRECIOSA disse...

Bom ser criança, não entender o que esta acontecendo
Tarda-se o sofrimento..
Beijos
Que sua noite seja regada de muito amor
Preciosa Maria

Nilson Barcelli disse...

Quando era criança vi alguns caixõezinhos brancos. E também não compreendia.
Felizmente a mortalidade infantil diminuiu imenso.
Beijos, querida amiga.

avesemasas disse...

A inocência das crianças deixa que sejam mais felizes... Ainda bem que assim é!

Beijinho,
Ana Martins

Vieira Calado disse...

Lá virá o tempo...

lá virá o tempo!...


Bjs

Marcantonio disse...

Pode-se falar muito coisa dessa cena tocante. Eu também não compreendo. Perdemos a inocência mas continuamos a procurar algum tipo de triciclo para darmos voltas em torno da perspectiva da nossa própria finitude. Não sei se não é só a partir de algum tipo de inocência que se pode viver plenamente a vida. Talvez.Mas inocência não se recupera. Quem sabe não tenhamos dela alguma reserva ignorada?

Abraço, Sônia.

Luiza Maciel Nogueira disse...

como é bom as vezes não compreender, não ter malícia, ser por vezes inocente, talvez até mais feliz

beijos

Claudia Almeida disse...

Tristezas da vida, auto indice de mortalidade infantil;agora vou te ouvir poeta!

Bjs

Um brasileiro disse...

OI. TUDO BLZ? ESTIVE POR AQUI. MUIT LEGAL E BONITO. APAREÇA POR LA. ABRAÇOS.

R.B.Côvo disse...

Muito triste, mas muito legal o que escreveu. Abraço.

Jair Gabardo. disse...

Da tristeza pela que se foi e a alegria pela qual longe daquele caixinha tem a oportunidade de experimentar o melhor dessa vida.

Abraço,

Jair Gabardo.
www.paraquefiquem.blogspot.com

Cáh disse...

é pena só.

um dia vai saber, vai doer lembrar.


Beijo

Mirze Souza disse...

Sônia!

Passei por isto. Tinha três anos, quando meu irmão recém-nascido foi colocado num caixão em cima de uma mesa forrada de branco.

Não entendi nada, mas tive vontade de ser ele. Nessa tarde, as nuvens pareciam chumaços de algodão, abaixo do céu azul.

A tristeza da lembrança guardo, mesmo sem querer.

Lindo!

Beijos

Mirze

Fred Caju disse...

A inocência da irmã é o que causa mais tristeza na situação. E quando ela perceber que ele não voltará?

Muito bom o seu espaço, o título me atraiu de imediato. Parabéns!

Abraços,
Caju.

Multiolhares disse...

ainda bem que são inocentes e só mais tarde percebem a dor
bjs

Graça Pereira disse...

Para os anjos, tudo é normal!
Bj e boa semana.
Graça

Luciana Marinho disse...

a inocência dói quando nos ausenta da vida, que também é morte.

belíssima poesia!

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo post...Espectacular....
Cumprimentos

Marcos Campos disse...

Doeu a cena em mim...santa inocência...
Boa semana !