segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O relógio dorme




O relógio dorme

Meu velho relógio dorme
assim como dormiram
seus antigos donos,
meu avô e meu bisavô.

9 comentários:

Marcantonio disse...

Deus! Isso foi expresso de uma forma iluminada.

Aqui a poesia é vôo possível.

abraço.

Guará Matos disse...

Mas você permanece acordada, tic-tac!
Assim você poderá cantas a música da vida.
Bjs.
____
Publiquei o regulamento para o sorteio de 20 livros lá no blog. Leia. Amanhã lançarei o concurso, participe.

tossan® disse...

Ah...Também tenho literalmente esta herança! Linda foto e partilho muito do teu sentimento poético. Beijo

Guará Matos disse...

Opa, o relógio lhe deperta e estou aqui também para deixá-la a tenta...
Chegou o bom momento, ou o grande dia!
O sorteio estar lançado e você por me seguir e ler-me, convido-lhe a participar. Leia o regulamento e respondas as perguntas. São 20 livros que serão sorteados.
Vamos lá!
Sua participação é o meu grande presente.
JORNAL AFOGANDO O GANSO
http://afogandooganso.blogspot.com

Mil beijos.
Guará Matos,
@GuararemaMatos

Henrique Pimenta disse...

Sim.

Gaspar de Jesus disse...

Cara amiga Sônia
Quem não se apaixona por objectos legados pelos nossos antepassados...?
Então relógios...
Eu adoro!
Bjs
G.J.

Mar Arável disse...

Os relógios não dormem

muito menos o tempo

biológico

Fernando Campanella disse...

Nos objetos antigos vive nossa memória afetiva. Um abraço, Sonia.

al disse...

Há objectos assim, que nos transportam para tempos e pessoas que já partiram.
Beijos