segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Perdido em mim





Perdido em mim


Não tenho a chave,
não encontro a porta.

Apalpo o silêncio
da madrugada.

No meu peito
a morte chora em surdina.

___________

16 comentários:

Luciana Marinho disse...

há um pássaro dentro da chave.
nascimento.

boa madrugada..
abraço!

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Sônia, bela fotografia...belo texto...Espectacular....
Cumprimentos

C@urosa disse...

Olá querida Sônia Brandão, o caminho para o encontro será liberdade? será, talvez, o silêncio? o contato com a natureza? A morte...não!não sei...

forte abraço

C@urosa

Lara Amaral disse...

Perdido do lado de dentro, mal encontramos o silêncio.

Beijos.

Juliana Porto disse...

É. Realidade de uns tantos. Intenso.

Gostei de ter passado por aqui.
Abraços!

líria porto disse...

esses teus olhos vagam... gosto muitíssimo!
besos

De Profundis disse...

É como dizias, Sónia... O Amor é feito também de silêncios e é nesses silêncios que encontramos as chaves que abrem tantas portas fechadas.
É muito bonito, o teu espaço. Voltarei mais vezes.

Beijinho

leonorcordeiro disse...

Belo poema!
Seus versos estão enfeitando o meu blog...
bjs!!!

Lua Nova disse...

A foto fala por tuas palavras...
Alta sensibilidade!
Gostaria de saber o que veio primeiro: a foto ou o poema?
Estou encantada com teu blog, com teus poemas, com tua capacidade de falar de forma tão concisa e abrangente.
Te convido a conhecer meu blog e tomar um chocolate comigo aproveitando o friozinho.
Bejos.
Seguindo...

Mar Arável disse...

Viver

é ousar

Bj

Fernando Campanella disse...

Boa noite, Sônia, puxa, tantas vezes nos sentimos assim, sem chave, algo chorando em surdina dentro da gente. A foto é um outro, mas apenas na aparência, há muito de nós fotógrafos na imagem fotografada. Ah, belíssima foto de teu banner, adorei. Um abraço carinhoso, minha querida amiga poeta.

Tati Karpa disse...

Linda foto-banner

mas eu preferia o fundo escuro =/

destaca mais as fotos... que já são ma-ra-vi-lho-sas

bjs

nydia bonetti disse...

Sõnia, me fez lembrar Ávaro de Faria:

"Abro a porta e saio à rua
E a rua deixou de existir

Não é o bastante
Para que eu deixe de caminhar"

beijos.

Lua Nova disse...

Que bom te ter lá. Seja muito bem vinda, Sonia.
Beijos.

Marcos Campos disse...

Me fez pensar...
Bela foto e texto!
Beijo e bom fim de semana!

Claudia Almeida disse...

Se encontrar a chave no silêncio
a vida está no portal a morte já passou, parabéns,bjs!